Edvaldo Magalhães diz que polícia em Jordão tem que liberar criminosos por não ter como mantê-los presos

Edvaldo Magalhães diz que polícia em Jordão tem que liberar criminosos por não ter como mantê-los presos

O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) usou seu tempo na tribuna durante a sessão desta quarta-feira (20) para falar da situação da Segurança em Jordão. O parlamentar disse que existe apenas um policial civil e cinco militares no município e que o fato tem gerado problemas, uma vez que não há como manter nenhum criminoso preso.

Edvaldo Magalhães apresentou uma indicação solicitando que Polícia Civil e Militar trabalhem em conjunto num mesmo prédio, evitando dessa forma que seja necessário liberar criminosos por falta de policiamento para vistoriá-los.

“Ontem assaltaram o único banco de Jordão. Esse é um fato raro, mas infelizmente existe, sim, criminalidade lá. O único policial civil do município alegou não ter como manter o meliante preso, pois precisava ir para casa. Diante dessa situação e após uma conversa com o prefeito da cidade, decidi solicitar que unam o trabalho dos policiais militares e do policial civil em um mesmo lugar, assim não será necessário ter que liberar um bandido por falta de quem o vistorie”, disse.

O parlamentar disse ainda que quando foi realizado concurso para provimento de vagas na Polícia Civil do município, as seis oferecidas foram preenchidas. No entanto, logo em seguida cinco policiais civis pediram transferência para outra cidade.

Edvaldo Magalhães também falou sobre o que ele qualifica como uma tentativa do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de acabar com o movimento sindical no país. A Medida Provisória (MP) 873, apresentada pelo governo federal, altera os critérios de cobrança do imposto sindical. Para o deputado a medida é uma manobra para sufocar e cortar o financiamento dos sindicatos.

“Isso é uma perseguição! O governo federal está tentando calar a voz daqueles que defendem os trabalhadores. Nem na ditadura militar se viu algo como isso. No Acre, nós esperamos que o atual governo não obedeça essa medida e se adotar essa iniciativa é porque é tão perseguidor quanto o presidente”, finalizou.

Andressa Oliveira
Agência Aleac

Sobre agencia agencia

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Facebook