Deputado Gehlen Diniz se posiciona contra instalação de OS na Saúde

Deputado Gehlen Diniz se posiciona contra instalação de OS na Saúde

O deputado Gehlen Diniz (PP) destacou seu posicionamento em relação ao projeto de lei, de autoria do Poder Executivo, que terceiriza a administração na Saúde do Estado. Em discurso durante a sessão desta quarta-feira (14), o parlamentar também discorreu sobre a proibição da saída da castanha in natura do Acre. Ele afirmou ser contra a aprovação do PL e prevê a queda do preço do produto no período de supersafra.

Na tarde da última terça-feira (13), os parlamentares se reuniram para discutir o PL que institui a terceirização na administração da Saúde e instalação de uma Organização Social (OS). Diniz afirmou que irá votar contra o projeto e contabilizou que com o número de deputados que não apoiam a iniciativa, o documento não será aprovado no Poder Legislativo.

“Não pode haver nenhuma dúvida quanto ao posicionamento da oposição, somos nove parlamentares e todos contrários a aprovação dessa lei. Temos ainda o voto contra de alguns deputados da situação, que também não concordam com esse absurdo. Vejo os servidores do Pró-Saúde dia após dia aqui, lutando pelo direito de trabalhar, não é fácil passar por isso. Vocês representam o povo acreano e estamos ao lado de todos”, garantiu.

Em relação ao Projeto de Lei n° 111, de 2017, de autoria do deputado Heitor Junior (Podemos), Gehlen Diniz se posicionou contra a aprovação. De acordo com ele, proibir a saída da castanha in natura do Estado prejudicará as negociações e vendas do produto, que provavelmente ficará retido, fazendo com que seu valor de mercado despenque.

“Esse PL praticamente obriga o produtor a vender sua castanha apenas dentro do Estado, fechando as portas para que sejam feitas negociações com outros países e até mesmo estados vizinhos. Irão acontecer audiências públicas, mas não entra na minha cabeça que eliminando a concorrência o preço não vai despencar, porque vai. A urgência com que estão tratando essa aprovação também é algo preocupante. Não podemos agir assim, ou as pessoas mais pobres, que vivem da atividade de coleta desse produto, serão as mais prejudicadas”, ajuizou.

Andressa Oliveira
Agência Aleac

Sobre agencia agencia

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com