Comissão de Sindicância da Aleac que apura mortes na Maternidade Bárbara Heliodora se reúne com Comissão de Óbitos da unidade

Comissão de Sindicância da Aleac que apura mortes na Maternidade Bárbara Heliodora se reúne com Comissão de Óbitos da unidade

A Comissão de Sindicância da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), instalada para apurar as mortes de bebês na Maternidade Bárbara Heliodora, no período de julho a agosto de 2016, se reuniu na manhã desta quarta-feira (16) com a Comissão de Óbitos da unidade. Na ocasião foram entregues aos parlamentares as fichas de óbitos de recém-nascidos no período investigado.

O presidente da Comissão de Sindicância da Aleac, deputado Heitor Júnior (PDT), disse que o trabalho da Comissão está sendo desenvolvido com transparência e muita responsabilidade. “Desde o início encaramos o processo com muita responsabilidade e transparência, sem contaminação política. O objetivo principal é priorizar a vida”, disse.

Heitor Júnior informou que até o dia 30 de novembro o relatório final será divulgado pela Comissão. “Estamos trabalhando incansavelmente para dar o mais rápido possível uma resposta à população acreana. Estamos dialogando com a direção da Maternidade Bárbara Heliodora e assim que colhermos todas as informações necessárias para a conclusão do processo, o relatório será devidamente divulgado pela Comissão de Sindicância”, complementou.

A Comissão tratou ainda da necessidade de intensificar o trabalho nas unidades de saúde de atenção básica no que diz respeito ao pré-natal. “O Ministério da Saúde recomenda sete consultas, há mães que não fazem duas consultas durante toda a gestação. Isso é muito grave. Temos também que promover a educação de saúde a essas mamães, elas precisam saber dos riscos que uma gravidez precoce pode trazer, tanto para elas quanto para os bebês”, disse Eliane Sinhasique.

Para o relator da Comissão, deputado Jenilson Leite (PCdoB), a apuração vai além da consulta aos prontuários. Ele informou que na próxima semana serão ouvidos os familiares dos bebês que foram a óbito.

“É necessário ouvir os dois lados. Estamos fazendo isso com muita responsabilidade e cautela. Vamos analisar os prontuários e caso surjam dúvidas vamos anotá-las. Hoje recebemos da Comissão da maternidade as fichas de óbitos e na próxima semana vamos chamar as mães para ouvir o que elas têm a dizer”, pontua Jenilson Leite.

Mircléia Magalhães
Agência Aleac

Sobre agencia agencia

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com